07 Dec Guarda infantil e Residência: pode sair do Estado?

Posted at 06: 30hin Miami Family LawbyTawnia

Child custodia situations can sometimes be a frustrating arrangement. Quando algo ocorre que requer que o Acordo de Custódia seja alterado ainda mais, é importante que você conheça seus direitos e os resultados potenciais de uma decisão judicial. Um dos cenários mais comuns para os quais você deve se preparar é o realojamento.

a menos que você e o outro pai façam um acordo antes da mudança, uma disputa de relocalização pode ser arquivada pelo pai cuja visitação com a criança é negativamente afetada pela mudança. Nesses casos, cabe aos tribunais decidir se a relocalização exige uma reformulação do contrato original de guarda de crianças. Em alguns casos, a decisão pode exigir que um pai fique em um estado, ou perder/limitar seus direitos de visita/Custódia para uma criança.Similar a muitas outras leis de custódia de crianças, a situação exata em que você pode se encontrar dependerá do estado em que você reside. Devido a isso, é importante que você sempre consultar com o seu advogado de direito da família antes de se preparar para sair do estado.

a notificação e o consentimento de outros progenitores e/ou tribunais são exigidos

a maioria dos estados exige que seja entregue uma notificação oficial por escrito ao progenitor que não se desloca dentro de um determinado prazo. No estado da Flórida, ao abrigo do Estatuto da Flórida 61.13001, este é um período de 60 dias.A obtenção do consentimento durante a formação do acordo inicial é recomendada a longo prazo. Alguns pais vão incluir uma cláusula em seu acordo de CUSTÓDIA que especifica cenários terão lugar se um dos pais se mover, poupando dinheiro de ambas as partes e toneladas de horas frustrantes dentro e fora do Tribunal. Em alguns casos, será elaborado um calendário de visitas proposto juntamente com esta cláusula de deslocalização, para poupar ainda mais tempo.Alguns estados necessitam de muito mais detalhes na determinação de uma situação de Custódia pré/pós-mudança. Por exemplo, alguns estados protegem os pais de esforços vingativos de movimento pelo outro pai, exigindo uma razão de “boa fé” para o movimento. Esta regra ajuda a proteger os melhores interesses da criança. Se a escola de uma criança, a estabilidade social/emocional, ou outro aspecto importante da vida da criança é interrompido, o tribunal pode estar menos inclinado a permitir a mudança. Aqui estão algumas das razões mais comuns que um tribunal de Família da Flórida pode ver como legítimo para uma mudança:

  • uma localização diferente permite à criança estar mais próxima das oportunidades familiares e de acolhimento de crianças.
  • oportunidades de educação significativas estão disponíveis em uma mudança.
  • o custo de vida é melhor na área de relocalização.
  • o pai que se deslocaliza está a aceitar um novo emprego. (Este trabalho deve ser uma oferta aceite e não apenas uma oportunidade potencial.)

se o pai que se opõe ao realojamento não tem sido uma presença forte na vida da criança ou geralmente está ausente durante as horas de visitação definidas, então os tribunais serão mais brandos com os desejos do Pai em movimento.

a distância é importante

em alguns estados, a aprovação de uma relocalização depende principalmente da distância do movimento. Por exemplo, se um pai em tal estado está se movendo a menos de 100 milhas de distância de sua residência original, eles não irão provavelmente receber muito atrito tanto do outro pai ou dos tribunais. Normalmente, qualquer coisa que exceda 100 milhas exigirá um acordo, a menos que já houvesse uma cláusula que existia no Acordo original de custódia de crianças.As situações alteradas requerem alterações nas despesas de viagem e horários de visitas quando um pai se afasta consideravelmente, certos encargos são colocados nos hábitos de visitação do outro. Por exemplo, o horário de visitas original pode agora ser impossível. Nestes casos, os tribunais irão sugerir que ocorre uma reformulação para proteger um calendário de visitas que é igual em qualidade ao original.

as despesas de viagem são também uma grande preocupação para os pais que terão de viajar longas distâncias para visitar os seus filhos. Em alguns casos, o tribunal vai exigir que os antigos pais terão que dividir as taxas de viagem 50-50. Variações deste plano de pagamento podem ocorrer dependendo da situação exata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.